12/09/2019

Na quarta onda do feminismo, por que é tão importante uma cerveja que homenageia as bruxas queimadas na Inquisição?

Em meio a todas as cervejas incríveis que degustei nos três dias de cobertura do Mondial de La Bière Rio 2019, encerrado no último domingo (8), uma seguiu ecoando na minha cabeça: a Black Magic, criação da cervejaria carioca Sundog Brewing para homenagear as bruxas queimadas na fogueira na época da Inquisição.


Rótulo que fecha a trilogia “Celebrações”, proposta da Sundog para contar história por meio da cerveja – as outras duas são a Dogfest (receita típica da Oktoberfest de Munique) e a Gods IPA (American IPA) – trata-se de uma cerveja escura (resultado da utilização dos maltes torrados), possui 10% de volume alcoólico e leva na receita sal, canela e café. Inusitada e bem gostosa para o paladar desta que escreve.

Mas por que a Black Magic coroa a minha lista? Sente o drama: ela é escura para simbolizar luto em homenagem às mulheres acusadas de bruxaria e queimadas na fogueira durante a Inquisição.

Em tempos em que a perseguição às mulheres, principalmente nas redes sociais, está à flor da pele, uma cerveja que celebra aquelas que fizeram história ao confrontar o conservadorismo é tipo um afago.

 

Crédito: Patrícia Santos Fotografia

 

Para além de qualquer estereótipo religioso que envolve as chamadas bruxas, devemos retratá-las pelo o que de fato representam: mulheres que, já nos séculos 15 e 16, foram ao caminho contrário das normas sociais vigentes e sofreram terríveis consequências por conta deste desvio. As mulheres mortas acusadas de bruxaria foram nada mais do que vítimas do patriarcado, que era ainda pior naquela época, representando resistência, luta e rebeldia.

Séculos depois e cá estamos nós, mulheres, nos vendo na mesma situação, sendo a nossa fogueira contemporânea o tribunal sem lei que se instaurou no Instagram e afins. Casos de destruição de reputação, famílias, perdas de empregos e guarda dos filhos são cada vez mais comuns no mundo virtual. O aniquilamento é ainda mais violento quando a mulher representa algum tipo de ameaça a costumes conservadores. Não seriam as personificações das mulheres antigamente chamadas de bruxas?

A Black Magic acaba sendo um jeito de se beber empoderamento e lembrar que mulheres fortes e de pensamento livre seguem soltas.

 

As fotos lindas são da Patrícia Santos. Instagram aqui e Facebook aqui 

 

 


Tags: , , , , , , ,


Posts relacionados:

Bons ares trazem esta harmonização de Red Zeppelin, da Cervejaria Invocada, e nail art geométrica

Para começar a semana no esquema, apresentamos uma Irish Red Ale que levou o bronze de 2019 na avaliação dos usuários do Untappd como a 3ª melhor do Brasil.

Éclair + Sour e Coffee Dry Stout: harmonização que bomba

Nós sabemos que doces e cervejas são de uma atração fatal, incapaz de ser impedida. E aqui ela coloca toda a sua malemolência pra jogo nesta harmonização de éclairs com dois estilos de cervejas artesanais.

Para começar a semana ligadona no 220v, a Dry Stout da Cervejaria Tarantino

Se fosse ligação, esta combinação não seria engano. A Dry Stout, da Cervejaria Tarantino, e o esmalte Ligadona no 220v, da Colorama, compõem o mood certeiro para começar a semana: cerveja com personalidade complexa, porém leve, + cor de esmalte que exala energia.

Uma resposta para “Na quarta onda do feminismo, por que é tão importante uma cerveja que homenageia as bruxas queimadas na Inquisição?”

  1. […] [Aqui no Malte & Esmalte, há um texto com toda a análise sensorial da Black Magic e a importância da cerveja para as mulheres. Para ler já, clique aqui] […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.